Retrogeek Podcast #65 – Inovações nas gerações de consoles

CompatilheShare on Facebook0Tweet about this on Twitter

Nesse podcast recebemos o Sabat do RetroPlayers e WarpZone, o Eidy Tasaka da Jogo Véio, e André Albertim do Assoprando Cartuchos, para um bate papo sobre as inovações que cada geração de consoles trouxe. Descubra o que deu certo, o que foi febre passageira e o que mal viu a luz do dia nesse cast cheio de convidados especiais!

 Participantes do episódio:
Caio Hansen, SidãoJP Moraes, Sabat, Eidy Tasaka e André Albertim.

CONHEÇA A REVISTA DIGITAL JOGO VÉIO

Ajude o Retrogeek a chegar aos 16bits contribuindo em nosso Padrim!

Clique aqui e entre para nosso grupo no Telegram
Clique aqui e entre para nosso grupo no Facebook

 

Nosso Feedrss-cast
Nossa página no iTunesitunes-cast
Download do episódio em mp3

Fale Conosco:
Facebook, Twitter, Instagram, YouTube e contato@retrogeek.com.br

Arte da vitrine: Caio Hansen
Edição: JP Moraes

 

Um agradecimento aos nossos retropadrinhos:
Altamiro Francisco Rocha Junior
Caroline Rodrigues Serafim
Elieverson Santos
Lionel Novaes de Freitas
Jeferson de Oliveira Cardoso
Luiz Fernando Moreira de souza
Anderson da Rosa
Rafael Ramalli Da Silva
Diego Ferreira
Tiago Reis
Paulo Roberto da Silva Santos
Caio Vinícius Ney
Jonas Ferreira

 


Deixe seu comentário

  • Junior Xavier

    Cast muito bom, informativo sem ser massante, curti muito os convidados , Jogo Veio já conhecia e o RetroPlayers e Assoprando Cartuchos fui conferir e vou acompanhar.
    Jogo desde o Telejogo e felizmente nunca parei ou irei parar de joga, quando moleque ia jogar as maquinas de pinball, e quando comecei a jogar em casa foi demais, porem meio frustante, primeiro que botei no meu atari compativel foi o pac man, e era bemmmm diferente do arcade, mas oque contava era não pagar fichas mais mesmo.
    As capas dos games de Atari eram a maior enganação possivel, só perdiam para as capas do Nes 8 bits, lembro que quando passei do Atari para Nes foi uma evolução notavel, abri meu CCE VG8000 com Super Mario Bros e foi de cair o queixo, na sequencia ganhei meu Master System 3 com oculos 3d, pistola e rapid fire com Alex Kidd in Miracle World, bem mais proximos do Arcade e com capas menos enganadoras.
    Abri a geração 16bits com o Mega Drive e Altered Beast e foi demais,evolução visivel na cara, no SNes abri com Super Mario World, no Mega Drive tive o Sega Cd e era incrivel mesmo a qualidade alcançada, com o bonus de ouvir musica no tocador, dos add de Snes tive a Bazuca Laser Soope. Tive tambem na época o Neo Geo, tanto o de cartucho, quanto o CD e esses sim eram matadores, arcades em casa, pena que o tempo de loading era imenso…
    Na proxima geração abri com o Saturn, e depois com o Playstation , lembro que assitia filmes em VCD nos dois, 3DO e Nintendo 64 tive só na final prem sem adds.
    No Dreamcast acho que onde fui mais multimidia antes da geração atual, tinha teclado, mouse,cabo vga, modem, assitia filmes e surfava na internet, sente muito a diferença quando peguei o PS2, achava o mais fraco da geração,
    Com o XBox360 e a Live foi onde vi que o “brinquedo” tinha passado de nivel finalmente e só teve a confirmação com o X Box One. Games digitais, stream, Netflix, mundo online vindo com tudo.
    Xbox Tem os portáteis tambem, apesar da inovação, acho meia boca,
    Xbox Integrante da turma sendo patrocinado pela Amiga?
    Abraços.

  • Adilson Cts

    Olá amigos, beleza? Vim aqui relatar minhas experiências pessoais através das gerações dos consoles.
    Tudo começou por volta dos meus 8 anos, quando vi um video game pela primeira vez. Nessa época eu fui na casa de um primo e ele me apresentou o seu Atari. O jogo era Smurfs e viciei instantaneamente, tanto que não quis mais parar de jogar. Depois, lá pelos 11 anos, vi um Nintendinho com Super Mario Bros 2. Fiquei encantado com as melhorias dos gráficos em comparação ao Atari. Aos 12 eu e um amigo fomos até a casa de um colega e vimos o SNES com o Mortal Kombat 1. O impacto foi tão grande que até hoje lembro da pérola que meu amigo soltou, dizendo: “Então essa é a ralidade virtual!”. Aos 14 joguei o Playstation 1 pela primeira vez e o jogo era Megaman X4. Eu era fanático pelos jogos dele e fiquei maravilhado com aqueles lindos gráficos e com o Megaman gritando enquanto atirava pra todo lado. A última vez que uma geração realmente me impressionou foi aos 27 anos, quando vi Assassin’s Creed 3. O nível de tecnologia que os videogames tinham alcançado nessa época me surpreendeu.
    Este programa foi sensacional, tanto que fiquei muito puto quando acabou. Mas pelo menos ainda tem alguns episódios antigos para baixar nessas horas, os quais estou saboreando devagar, antes de ficar sem programas inéditos para eu ouvir.
    Obrigado por mais um ótimo trabalho!

  • Lionel Novaes de Freitas

    Fala Retroamigos, gostei muito da dinâmica desse programa, tanto que reforço o comentário que fiz no Retrogrupo, vocês deviam pensar em se unir e criar um podcast só sobre videogames, afinal, só este aqui já foi melhor que muito podcast sobre games da podosfera brasileira (sei que só o Retrogeek já consome um baita tempo de vocês, mas não custa sonhar rs). Meu primeiro videogame veio aos 5 anos de idade e foi um Master System, mas não o 3, e sim aquele Super Compact, que era sem fio e colocava o cartucho no próprio controle e parecia coisa de outro mundo, e ainda vinha com o Sonic 1 na memória.
    Aliás, não sei não, mas será que esse modelo não foi uma exclusividade da Tec Toy no Brasil? Me parece que a forma do dito cujo ainda era a do Game Gear (sem a tela kkk). Vale a pena das uma pesquisada pelas imagens ai, só pela curiosidade hehe. Só sei que o resto virou história, e hoje sou mais um desses fanáticos por videojogos. Hooooooooo

  • Fernando Ribeiro

    Mas que mundo pequeno, quem diria que eu iria escutar o corno do Sabat aqui no Retrogeek. Pena que eu perdi o contato com o Retroplayers, assim como outros blogs que eu também acompanhava a alguns anos, como o Museumdosgames, Shugames, Gagágames, entre outros. Como o Sabat mesmo disse, os videos engoliram completamente os textos, ser youtuber hoje gera muitissimo mais audiência, reconhecimento e dinheiro do que ser blogger. Hoje eu também vejo mais videos do que leio textos. Mas enfim, quem sabe eu ainda volto a comentar lá no Retroplayers, inclusive, até hoje espero a segunda parte da excelente matéria comparando o Snes e o Mega em todas as suas valências, vai sair quando em Sabat? Pqp, já tem cinco anos que a primeira parte saiu! http://www.retroplayers.com.br/retro/retroespecial-desmistificando-o-snes-e-o-mega-parte-1-resolucao-e-graficos/ (ou talvez já tenha saido a segunda parte e eu que não vi, se for o caso me desculpe)
    Sobre a evolução dos games, na parte que passou da sétima geração e adiante, deveriam ter falado da involução e não dá evolução. Fala sério, o videogame em geral ficou um lixo na sétima geração pra frente, cada vez mais acho que investir em videogames é perda de tempo e dinheiro. Jogos infantilmente fáceis (alô Red Dead Redemption) , excesso de cutscenes numa tentativa de deixar o jogo cinemático (oi DMC Devil May Cry) , jogos incompletos onde vc precisa comprar DLC pra ter o jogo inteiro (não precisa nem dar exemplo pq quase todos são desse jeito) , gêneros que foram extintos (survivor horror, como eu sinto sua falta) … O pior é que quando eu tinha só o Ps2, era louco pra ter o Ps3, mas depois que adquiri este último eu percebi o quanto eu estava enganado, Ps2 dá de dez a zero no Ps3. Nem convém eu dizer quais jogos eu gosto pra valer do Ps2, pois a lista ficaria gigante, no Ps3 acho que só gostei pra valer mesmo do Metal Gear Solid V The Phantom Pain e do Fallout New Vegas, talvez o Red Dead Redemption, mas este parece que foi programado pra crianças de dois anos jogarem, zero de desafio. Não pretendo comprar um Ps4, gastar meu suado dinheirinho numa maquina que certamente vai me trazer as mesmas frustações que o Ps3 me trouxe. De qualquer maneira, no Ps4 eu só gostaria de jogar mesmo o Hitman e Mad Max. Atualmente tô juntando meu money pra comprar um poçante, depois que eu o fizer, vou ver se compro um pc e vou colocar uns emuladores de Ps2, relembrar os jogos antigos e jogar os que eu nunca joguei mas sempre quiz, quem sabe baixar uns emuladores também de Saturn, NeoGeo, N64 dentre outras maquinas que eu nunca tive, videogames que eu tenho por certo que possuem muitos jogos de qualidade. Fazer isto certamente é melhor que continuar alimentando a industria de videogames populista e mercenaria de hoje.
    Abraços pra vcs, Retrogeeks e Sabat.

  • Tiago Ramos Melo

    Fala povo do Retrogeek, como todo ano tem sempre uma novidade na tecnologia é bom recordar das inovações que tivemos nos consoles antigos e principalmente esse cast foi excelente pra falar isso.

    No tempo que tinha meu master system, sempre tive vontade de ter os acessórios do console, como o “fantástico” Óculos 3D só pra jogar Out Run 3D e Poseidon Wars (jogo de batalha naval), eu pirava pra ver se dava pra ver muito além, mas infelizmente não tive a oportunidade e muito menos achar um lugar que comprava e sem contar também do Light Phaser pra dar um de atirador de elite e jogar os jogos do Rambo e Zilion.

    Mas com a pistola tive a oportunidade de usar esse aparato pro console do 3DO numa locadora que frequentava, jogava muito Crime Patro e Mac Dog McCree, aqueles filmes bem toscos dos anos 90 e metendo bala e recarregando que nem louco (isso com menos de 10 anos de idade) se achando o cara da locadora.

    Com o Nintendo 64 voltei a envolver com as inovações em um console e o primeiro foi com o Rumble Pak, aquele troço que tremia o controle, lembrava quando ia pra locadora e pegar o jogo 007 Goldeneye, era quase de lei alugar também o suporte pra “sentir” os tiros e ficar mais doido enfrentando os seus adversários, também usava muito quando jogava Resident Evil 2. Outro foi o cartucho de expansão de poderosos 4MB, que “era obrigatório” em Donkey Kong 64 e Perfect Dark e melhorava alguma coisa em alguns jogos, foi algo que até não sentia no jogo (ao menos que quer jogar Perfect Dark por completo, tem que ter ele) mas foi algo que deixei de lado.

    Bem somente é isso, parabéns pelos convidados trazendo mais informações pra esse cast e com certeza o cast teve um grande patrocínio, e olha que não foi pelos padrinhos, foi pelo tão excessivo a palavra Amiga (Sidão faturando a milhões agora) que nos próxmios episódios vai ser “a palavra que não pode ser mencionada”! Sucesso pra todos e vamos em busca da retroinovação (ficou meio estranho, mas pelo menos pra valer o tema) perfeita! #LionelHOOOOOOOOO!!!!!