Retrogeek Podcast #46 – A História das Revistas de Videogames no Brasil

CompatilheShare on Facebook8Tweet about this on Twitter

Recebemos o Eidy Tasaka da Revista Jogo Véio, e Filipe Salles, do Hobbismo e Revista Nintendo World, para mais um episódio da nossa série “História … no Brasil”, agora pra contar A História das Revistas de Videogame no Brasil. Descubra qual foi a primeira de todas, quais os mascotes de cada uma e quais existem hoje em dia!

 Participantes do episódio:
Caio Hansen, SidãoJP Moraes, Eidy Tasaka e Filipe Salles

CONHEÇA A REVISTA DIGITAL JOGO VÉIO

CONHEÇA TAMBÉM O HOBBISMO

Ajude o Retrogeek a chegar aos 16bits contribuindo em nosso Padrim!

Clique aqui e entre para nosso grupo no Telegram
Clique aqui e entre para nosso grupo no Facebook

Ouça outros episódios da série “A História… no Brasil”:
Retrogeek Podcast #17 – A História dos consoles no Brasil
Retrogeek Podcast #35 – A História dos Animes no Brasil

Nosso Feedrss-cast
Nossa página no iTunesitunes-cast
Download do episódio em mp3

Fale Conosco:
Facebook, Twitter, Instagram, YouTube e contato@retrogeek.com.br

Arte da vitrine: Caio Hansen
Edição: JP Moraes

Citados no podcast:
[EM BREVE]

 


Deixe seu comentário

  • Lionel Novaes de Freitas

    Fala Retrôamigos. Que episódio maneiro heim. Revistas de games foram o combustível da minha infância, eu praticamente comprei todas as citadas, mas guardo um carinho especial pela Gamers, que no começo tinha o citado Capitão Ninja com suas tirinhas que eu achava foda demais, depois, a revista assumiu uma linha bem diferente, e chegava a traduzir o conteúdo dos jogos, não só na Gamers Book, mas na própria revista de linha. Consegui jogar e compreender a trama de Parasite Eve graças ao detonado deles. Pra fechar, guardo boas lembranças de ter dado sorte em várias revistas: desenhos meus apareceram em várias seções de carta, faturei um jogo de Pokémon para game boy na Ação Games e em 2008 o auge, um PS3 zerado da revista Playstation. Que saudade desses bons tempos, mas da licença que vou ler aqui um Jogo Véio e uma Warpzone que ajuda a amenizar. Hoooooooooooo

  • Tiago Ramos Melo

    Salve povo do Retrogeek, um tema legal lembrando do tempo em que quando não conseguia passar daquela fase do seu jogo e a única solução era pra apelar para as revistas de jogos da época.

    Não tive muita experiência com revistas, apesar que quando via numa vitrine ou banca de jornal ficava adimirado pelas capas e se no caso tivesse aberta dava aquelas olhadas ligeiras pra ver as novidades, as locadoras que frequentava tinha vários, principalmente da Super GamePower, até tinha um transação até econômica em relação a compra e venda (e até locação) das revistas, se você acha de “rolo” de consoles e jogos era comum na época, imagine de revistas.

    Mas o momento mais prazeroso desse período (e até vocês citaram) foi a edição de um ano da Nintendo World, acredite ou não, eu tive essa edição, no tempo que tinha meu N64 e jogando vários jogos do Pokémon (principalmente o Snap), adorei aquela edição sabendo dos macetes e falando dos jogos desde do Gameboy.

    Bem, somente é isso e parabenizo pelos convidados por enriquecer de informação esse episódio que ficou pra lá de supimpa! Sucessos pra todose até a proxíma retroconversa.

    PlayStation 1: Quando falaram dos “pilotos” e falando como era o “recrutamento” desse mini magos dos games, quem dera que naquela época era tudo fácil fazer as coisas (em termos eu acho…) de uma maneira tão simples, chamar um moleque qualquer naquela locadora pra ficar zerando jogos, pegando aquela imagem perfeita pra colocar a revista e fazendo quase tudo manualmente (tanto o tal “piloto”, tanto o “fictício” repórter que não queria usar seu nome verdadeiro, o pessoal da gráfica fazendo os esboços das páginas até chegar o produto final), mesmo que sendo meio retrógrado, deu muito trabalho pra essa galera que agora nem precisa disso, pega um programa de gravação de vídeo, grava, edita num editor, “upa” no YouTube e voilà….querendo like e mais likes e inscritos…..vai entender cada geração né!?

    PlayStation 2: Quem sabe futuramente fala das revistas da cultura pop, como Herói, Henshin, Ultra Jovem e entre outros além de quadrinhos e mangás publicados em terras tupiniquins.

    PlayStation 3: LionelHOOOOOO!!! pronto, agora acabou!

  • Ítalo Chianca

    Pessoal, quando tento baixar o episódio, vem o arquivo do cast do Alien. Tem alguma coisa errada aí. No aguardo.

  • Raphael Rosati

    Comprei a Videogame nº 1 e a Ação Games nº 2 na época. Que saudade

  • Olá Ítalo. Já corrigimos, pode baixar agora. E depois nos diga se gostou 🙂

  • Lionel Novaes de Freitas

    Ai sim heim, compro essa ideia de um cast sobre a revista Heroi.

  • Heverton Leon

    Pois bem meus queridos, ca estou eu de volta. passei uns meses sem ouvir o RG. me desculpem. rsrs

    Eu era colecionador da EGM (EGW hoje). eu tinha todas até o numero 41. E como vocês falaram no começo do cast, eu também sofria por não ter aqueles consoles modernos da época(Game Cube sonho de consumo). Meu consolo era ficar vendo as imagens da revista e lendo os reviews. Depois ficava imaginado como seria legal jogar tal jogo (triste). Bons tempos onde eu me mantinha informado sobre jogos e consoles através de revistas.

    Bom, é isso ai. o cast foi foda!

  • Tiago Ramos Melo

    Tamo junto! HOOOO!

  • Paulo Roberto Silva Santos

    Bom cast, não li muitas revistas de vídeo game na vida, mas lembro que conheci chrono trigger, através de uma revista dessas e suas dicas, quase inúteis na maioria das vezes.
    Ps: Qual foi a do áudio tocado de tocado de tás pra frente no final do cast?

  • Thiago De Almeida Silva

    Molecada, cês mandaram bem demais nesse programa. Os convidados agregaram bastante no conteúdo. lembro com saudade não só da época das revistas como da gente brigando para ficar com as revistas nas locadoras. hahaha Saudades! E pontuaram bem sobre a Warp Zone, coleciono os livros doas caras e é um trabalho primoroso! Tivemos a oportunidade de entrevista-los pelo Zona E na ultima BGS e dá pra ver que é uma galera que faz realmente om amor! Parabéns pelo programa!