Retrogeek Podcast #39 – Brincadeiras de rua

CompatilheShare on Facebook1Tweet about this on Twitter

Recebemos a visita da galera do Café com Porrada, Orelha Miguel, Evandro Fernandes e Ingrid Oliveira. Pra relembrar as brincadeiras de rua que nos divertia na infância. Nesse episódio descubra qual integrante só brincava dentro de casa, qual a brincadeira que era considerada de menina e o Caio adorava e como funciona o esquema da brincadeira da salada mista!

 Participantes do episódio:
Caio Hansen, SidãoJP MoraesOrelha Miguel, Evandro Fernandes e Ingrid Oliveira.

—->> CONHEÇA A REVISTA DIGITAL ‘JOGO VÉIO’ <<—-

Clique aqui e entre para nosso grupo no Telegram
Clique aqui e entre para nosso grupo no Facebook

Ouça Retrogeek Podcast #21 – Guloseimas da infância
Ouça Retrogeek Podcast #09 – Os Gadgets das antigas
Ouça Retrogeek Podcast #05 – Eu tinha medo disso!
Ouça Retrogeek Podcast #03 – A internet das antigas

Nosso Feedrss-cast
Nossa página no iTunesitunes-cast
Download do episódio em mp3

Fale Conosco:
Facebook, Twitter, Instagram, YouTube e contato@retrogeek.com.br

Arte da vitrine: Caio Hansen
Edição: JP Moraes

Citados no podcast:
Pião
Corrida de Tampinhas
Pregobol
Pique Bandeira
Jogo de Taco
Queimado/Dodgeball
Dodgeball (filme) – Trailer
Futebol de Rua
Showbol
Brincadeira do Elástico
Pula Carniça
Salada Mista
Tipos de Pipas
Bonde do Tigrão – Cerol na Mão
Bola de Gude – Mata-Mata
Bola de Gude – Bulica
Bola de gude da seleção
Bola de gude olho de gato
Bola de gude leitosa
Bilha
Polícia e Ladrão
Carrinho de Rolimã

 


Deixe seu comentário

  • Lionel Novaes de Freitas

    Fala Retrogeeks de plantão. O programa foi sensacional, muito divertido e o que me impressionou foi constatar que apesar dos lugares distintos, de um jeito ou de outro, todo mundo acabou tendo uma infância parecida. Duro foi constatar que eu acho que eu fui um Quico da rua, mas não no sentido da riqueza, porque nunca fui rico, mas no sentido de ser um meninão da mamãe que mal podia sair de perto dela. Pior que além de acompanhar as brincadeiras da galera por detrás das grades da garagem, quando tinha a chance de sair ainda dava azar e por não ter as manhas só me ferrava, cito exemplos: certa vez jogando fubeca (ou bolinha de gude) pisei num prego enferrujado (que não varou mas traumatizou quando meu pai puxou), caí num buraco da companhia de esgoto, a única vez que fui soltar pipa, fui roubado pelos moleques do bairro, ia jogar bola e mesmo estando no time de fora era atingido por uma bolada certeira no meio da fuça (quebrando o óculos) e por ai vai.
    Sorte que eu ganhei um Master System e em casa não podia dar B.O.
    É isso ai galera, por hoje é só. Abraços do “Tesouro, vida, coração, rei e hoooooooooooo”

  • “O Caio era o Seninha do bairro” hahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha
    essa eu chorei de rir.
    Taco não é um jogo brasileiro. O nome “bete” ou “bets” vem de Bat, que é justamente taco em inglês. É uma variação de críquete e provavelmente chegou aqui por imigrantes. Eu sempre quis ver um jogo de Críquete na TV até que eu vi no Youtube. Cara, taco com crianças é legal, mas críquete é muito bizarro!