Retrogeek Podcast #29 – The King of Fighters

CompatilheShare on Facebook0Tweet about this on Twitter

Finalmente saiu a continuação do episódio 20 (Fatal Fury, Art of Fighting e Samurai Shodown). Nesse episódio recebemos o Sebastian do Apenas 1 Cast pra falar de todos os jogos da franquia The King of Fighters. Descubra os detalhes das três sagas (Orochi, Nests e Ash), quais jogos deram origem a essa franquia e onde a SNK errou e onde acertou!

Participantes do episódio:
Caio Hansen, Sidão, JP Moraes e Sebastian do Apenas 1 Cast

Clique aqui e entre para nosso grupo no Telegram

Ouça também: Retrogeek Podcast #20 – Fatal Fury, Art of Fighting e Samurai Shodown

Nosso Feedrss-cast
Nossa página no iTunesitunes-cast
Download do episódio em mp3

Fale Conosco:
Facebook, Twitter, Instagram, YouTube e contato@retrogeek.com.br

Arte da vitrine: Caio Hansen
Edição: JP Moraes

 


Deixe seu comentário

  • Muito legal o cast, galera. Hoje a minha caminhada foi bastante nostálgica. Eu tava pensando que os produtores foram ingênuos (pra não dizer burros) no decorrer das versões da franquia. Exemplo: os três clãs que selaram o Orochi só tem um (ou dois) membro cada? Podiam pirar em personagens para introduzir no jogo. Fico pensando que o Chris poderia se Yagami, ia ser demais.
    Ah, o Shingo é um personagem que eu achava ser do mesmo clã do Kyo (Kusanagi). Como eu era meio burro, pensava que ele era doente e por isso não produzia chamas. Quando descobri que ele era uma versão SNK da Sakura me decepcionei.

    Continuem, galera. Sei que é complicado levar o podcast a frente, visto que aqui só temos três, quatro ou cinco podcasts grandes no BR. Falo por experiência própria. Sinto uma barreira muito forte pra apresentar meu cast pra novos ouvintes.

    Bem, até mais.

  • Hugo Carlos

    Muito bom o cast! Eu amo essa série de jogos, mas confesso que me relacionei com os jogos apenas no fliperama, e a história lá nas máquinas não era tão detalhada, cheia de nomes e categorias. Podia muito ter todo esse storytelling lá, mas no jogo mesmo é bem superficial. Foi muito bom aprender tudo isso, deu vontade de jogar de novo, apesar dos chefes papa-ficha quase impossíveis.

  • Tiago Ramos Melo

    Salve povo do Retrogeek, cast mais porradeiro não há depois desse agora!! Acho que como muitas pessoas que escutaram vi o jogo no fliperama nos botecos da vida, claro com muita gente jogando e tirando aquele x1 que era pior que Uno….(acabava amizades e em alguns casos virava live action do jogo…..briga de verdade)
    Comecei desde o primeiro, o 94, adorava pegar o time japonês (Goro, Kyo e Benimaru), mas era muito ruim mesmo, jogava por causa que todos jogavam e até que era legal e sair um pouco do estilo Street Fighter. Depois foi jogando dos anos seguintes, mas fiquei até o 2000.
    Parabéns pelo cast e que muita porrada continua nesse joguinhos marotos!

  • Fabio Jose Patricio Mota

    Muito bom o cast, mesmo não sabendo jogar KOF, gostei dá história.
    O único q joguei foi o 94 e sempre com o time BR, mais sempre morria para a segunda forma do último chefe.

  • Excelente cast! Infelizmente eu acho q o KOF começo a ficar um pouco cagado depois de um certo número. Falando nas rivalidades entre KOF e Street, fica a dica de um cast com a lavação de roupa suja que foi SNK vs Capcom, onde o Dan (aquele bosta) ficou ridiculamente apelão e com vários golpes “chupinhados” de suas inspirações, nitidamente uma ofensa saudável entre a galera.

  • Auridian

    Olá. Nem sei como eu descobri o podcast de vocês, acabei levando um combo (ouvi uns 4 em seguida). Sempre preferi os jogos da SNK à os Street Fighters, pena que KoF caiu muito após o ’99. Eu acho o 2002 um dos piores, mas joguei um bocado.

    Uma coisa curiosa nos KoFs eram os personagens andrógenos, na locadora onde eu jogava havia altas debates do Chris ser uma menina e só viemos ter certeza um ano depois. Apesar do Orochi ser claramente um homem, naqueles tempos em que a informação era fragmentada e um errinho de uma revista levava um tempo pra ser corrigida (e isso quando alguém comprava).

  • Excelente episódio, pessoal. Eu era um cara que frequentava muito fliperamas e me lembro que o primeiro fliper de luta que joguei foi o ‘Fatal Fury’. Por causa dele, virei fã da SNK e quando saiu KOF 94, minha cabeça explodiu! Joguei todas as versões, até a 98, pois achei a versão 99 uma droga, em termos de história, mas adorava jogá-la, no modo ‘versus’, no Dreamcast, numa locadora que alugava esse videogame para ser jogado na loja.

    Não sabia desses universos paralelos da SNK e, depois de ouvir vcs, essa minha inquietação sobre a linha temporal Art of Figthin – Fatal Fury – KOF, foi aplacada.

    Valeu pessoal e até o próximo episódio!

  • Francisco das chagas

    bons tempos de fliperama

  • Vinicius Diello

    Bem, eu uso muito o aplicativo de Android Podcast Adict e um belo dia digitei geek para ver o que acontecia e se achava alguma coisa interessante pra ouvir. Foi quando me deparei com vcs. O primeiro podcast que eu ouvi foi o de super sentai e venho depois de um tempinho deixar um comentário pra vcs. Caras, eu sinceramente nunca mando mensagem pra nada, mas nesse caso eu fui obrigado, porque o trabalho que vcs estão fazendo é muito bom mesmo.

    Desde que eu tinha meus 13 anos de idade que eu jogo KOF e comecei pela 97, mas logo veio a 98 e se tornou facilmente minha favorita da série. Eu discordo um pouco de vcs, acho a 2001 a pior de todas bem disparado… Eu simplesmente enojava a ideia de 4 personagens. Isso ficou desbalanceado pra caramba e enfim, eu não gostei. Lembro que jogava muito a 2000, que vcs disseram detestar tbm rs. Mas é um pouco disso né, cada um deve curtir mais as que jogou mais frequentemente, sei lá. Aqui onde eu moro tinha um fliperama que só tinha a 2000 e rolava altos contras.

    Mas é isso. Continuem assim e falem cada vez mais de videogame!

    Forte abraço!

  • Thiago De Almeida Silva

    Alow, Retrogeeks! Ótimo programa! Realmente foi uma nostalgia, deu para sentir até o calor e o cheiro do fliperama enquanto ouvia! HAHAHA
    Sei que o intuito de vocês foi de focar mais na parte nostálgica e da experiência, teriam de fazer um outro podcast só para falar da parte técnica de KOF e a evolução de suas mecânicas. Detalhes bacanas como os golpes dos chefes que são executados como menos frames e uma prioridade de input maior que os dos personagens selecionáveis, justificando assim toda a apelação que vocês citaram.
    E deixo o desafio ae para o Caio pra gente bater aquele contra 1×1 aqui no RJ. Só marcar em algum evento aqui que sempre tem uma máquina pra divertir a galera! 😀

  • Edson Amaru